Andressa Serantoni, de 28 anos, foi morta com mais de 30 facadas, em São José do Rio Preto (SP). Casal suspeito de cometer o crime teve a prisão preventiva decretada pela Justiça.
 
Ana ao lado de Andressa — Foto: Arquivo Pessoal
A irmã da personal trainer Andressa Serantoni, de 28 anos, que foi morta a facadas por um casal de vizinhos, presenciou o crime registrado na última quarta-feira (12), em São José do Rio Preto (SP).
 
Joel Fernandes Santos e Sidileide Normanha da Paixão Santos foram presos em flagrante depois de cometerem o homicídio. Os dois tiveram a prisão preventiva decretada durante audiência de custódia e permanecem à disposição da Justiça.
 
Ana Luiza Serantoni Zacaron, de 18 anos, conta que estava deitada quando escutou a irmã estacionar a moto na frente da casa da mãe, no bairro Vila Anchieta.
 
Em seguida, ela ouviu Andressa perguntando para Sidileide o motivo de estar sendo gravada com o celular e resolveu sair do imóvel para ver o que estava acontecendo.
 
“A mulher já estava filmando e o marido encostado no portão deles, olhando. “Ela [Andressa] perguntou novamente “por que você está me filmando?”. A mulher começou a gritar igual uma louca, perguntando se “ela [Andressa] era de uma máfia e não podia ser filmada”, afirma a jovem.
 
“Minha irmã respondeu que não estava entendendo. Então, a mulher foi indo para cima dela. Eu falei 'Andressa, deixa quieto, deixa filmar'. A mulher já veio cercando minha irmã e disse para o marido 'pega lá para a gente resolver'. Foi tudo muito rápido”, complementa.
 
Ana relata que Sidileide segurou Andressa. Joel, então, pegou duas facas no carro e foi correndo em direção à vítima, que não viu o homem se aproximando.
 
“Ele deu a primeira facada nela. Eu conseguia ver ele [Joel] tirando e enfiando a faca muito rápido. A mulher veio tentar me puxar. Eu a empurrei e fechei o portão, mas conseguia ver. A mulher também pegou a faca e começou a esfaquear minha irmã”, conta.
Andressa morreu após ser esfaqueada em bairro de Rio Preto — Foto: Reprodução/Instagram
Assustada, a jovem relembra que entrou no imóvel da família para pedir ajuda e começou a escutar gritos do lado de fora.
“Voltei lá para fora e vi os vizinhos jogando cadeiras. Eles também quase foram esfaqueados. O casal já tinha entrado para dentro de casa. A hora que eu voltei, ela [Andressa] já estava morta. Minha irmã trocou duas palavras com o casal e foi morta”, diz.
 
Andressa foi morta com mais de 30 golpes, que se concentraram na região do pescoço e tórax. Contudo, também foram identificadas lesões de defesa nas mãos e nos braços da vítima. O corpo dela foi velado e enterrado no cemitério Jardim da Paz.
 
Ainda abalada com a morte precoce da irmã, Ana afirma que Andressa trabalhava muito e tinha diversos sonhos, que foram interrompidos.
 
“Ela começava a dar aulas às 5h e terminava às 21h. A meta dela era comprar um carro e construir a família dela. Ela já estava noiva, queria ter filho. O sonho da vida dela era casar na igreja e estava investindo muito na carreira de personal”, diz a jovem.
 
“Vai ser muito difícil seguir a vida sem ela, porque ela era a pessoa mais importante da minha vida, sem dúvidas. A gente tinha uma ligação muito forte. Minha mãe está muito abalada. Nós lembramos dela em qualquer coisa que fazemos. Como eu vi a cena, é muito difícil esquecer. Tento pensar nas coisas boas que ela fez, o jeito que ela cuidava de mim”.
 
Ana tem uma tatuagem que foi feita junto com a irmã — Foto: Arquivo Pessoal
Prisão
 
Casal que matou personal a facadas presta depoimento em Rio Preto
Depois de cometerem o crime, Joel e Sidileide se esconderam em casa. A Polícia Militar foi acionada, pulou o muro da residência e encontrou o casal acompanhado dos filhos, que possuem idades entre 4 e 12 anos.
 
Os dois foram presos, levados à delegacia e autuados por homicídio qualificado por motivo fútil. Eles passaram por audiência de custódia e tiveram a prisão convertida em preventiva.
 
O homem foi levado ao Centro de Detenção Provisória (CDP) de Rio Preto. A mulher permanece à disposição da Justiça na Cadeia Feminina de Nhandeara (SP). Os filhos do casal foram levados ao Conselho Tutelar e encaminhados para um abrigo do município.
 
Passagem pela polícia
Joel responde na Justiça por uma tentativa de homicídio contra um vizinho, em 2015. De acordo com o processo, o criminoso tentou matar um homem no bairro Maria Lúcia, também em Rio Preto.
 
Na ocasião, ele discutiu agrediu a vítima com um facão, mas ela conseguiu escapar. O motivo seria o barulho na casa da vítima.
 
O suspeito responde a esse crime em liberdade e deve ir a júri popular. O Tribunal de Justiça ainda não marcou o julgamento. O advogado de defesa de Joel neste caso disse ao G1 que tramita recurso para derrubar uma das duas qualificadoras do crime.
Fonte - G1 Rio Preto e Araçatuba



Fonte: G1 Rio Preto e Araçatuba
Publicado em: 18/08/2020 11:40
Link: http://www.agenciasatelite.com.br/website/siteplus/noticia/noticia_detalhe_23a.asp?id=495&idRegistro=26817