Ela foi a primeira a denunciar Mario Luiz da Silva. Suspeito foi autuado por estupro, estupro de vulnerável e posse sexual mediante fraude
 
Reprodução - Redes Sociais
 
Rio de Janeiro – “Você tem que gostar de homem”, dizia à enteada homossexual o pai de santo Mário Luiz da Silva, preso pela polícia nesta quarta-feira (26/5). As informações foram reveladas pelo advogado Jeanderson Kozlonsky, do Instituto Nacional de Combate à Violência. Ela foi a primeira a denunciar o homem pelos crimes, na 35ª DP (Campo Grande).
 
Jeanderson é o responsável por reunir as vítimas dos abusos, que ocorriam há mais de 10 anos como forma de “limpeza espiritual”. Quatro registraram queixa, entre elas uma menor de idade, e outra que sofria assédios sexuais desde os 7 anos de idade.
 
“Havia muitos rituais que ele fazia na piscina para introduzir a mão ou pênis nas vítimas”, contou Kozlonsky. Segundo ele, ainda há outras vítimas que devem registrar denúncias.
 
Na delegacia, o pai de santo foi autuado por estupro de vulnerável, estupro e posse sexual mediante fraude. “As vítimas procuraram a delegacia e relataram os fatos pretéritos. Ele se aproveitava da ascendência religiosa para passar óleo nas adolescente. No banheiro, aparecia de cueca. Muitas delas o conheceram ainda crianças. Em nome do que ele chamava de obrigação, cometia os abusos”, afirmou o delegado Davi Rodrigues.
 
A defesa do pai de santo ainda não foi localizada. O espaço continua aberto.
 
Fonte - Metrópoles