Helena teve 72% do corpo queimado após ingerir medicamento contra convulsões. Ela está internada na UTI desde sábado
Reprodução
 
Nascida no Rio Grande do Sul e moradora de Anápolis (GO), a pequena Helena precisa de ajuda. Diagnosticada alérgica a um anticonvulsivo que precisou ingerir, a bebê de 1 ano de idade teve 72% do corpo queimado e se encontra, desde sábado (11/9), na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital de Queimaduras da cidade goiana. A família criou uma vaquinha nas redes sociais com o intuito de conseguir meios para custear o tratamento.
 
“A gente perde o chão e fica sem saber o que fazer quando vê nossa filha assim. Há uma semana, ela estava engatinhando e começando a andar sozinha. Era uma neném que acordava dando risada com aqueles dois dentinhos e, de repente, fica nesse estado”, desabafa o representante comercial Hugo Cristiano Penno da Silva, 38 anos, pai da menina.
 
Ele conta que tudo teve início quando Helena apresentou espasmos há cerca de um mês. Após exames, o médico receitou o antiepilético Lamotrigina. A dosagem inicial era baixa e foi aumentando aos poucos. Helena apresentou quadro febril persistente.
 
“Levamos numa UPA em Anápolis, e a médica disse que era virose. Em seguida, manchas apareceram na pele dela. Levamos na UPA de novo e disseram que era rosácea, passando mais um remédio e antialérgico”, relata Hugo.
 
Na quinta-feira (9/9), várias bolhas surgiram na pele de Helena. O médico que a acompanhava, no entanto, afirmou se tratar de um processo natural.
 
Família pede ajuda para custear a recuperação Reproduçãp
 
Helena teve mais de 70% do corpo queimado Reprodução
 
Três dias de internação já somam quase R$ 15 mil de dívida para a família Reprodução
 
“Tudo o que fizemos foi de acordo com os conselhos médicos”, disse Hugo. Após piora nas lesões, os pais de Helena a levaram para o Hospital de Queimaduras de Anápolis. “A médica de lá mandou internar assim que a viu. Diagnosticaram o quadro como sendo consequência da Lamotrigina”, pontua o pai de Helena.
 
A bebê de um ano passa por diversos procedimentos para se recuperar Reprodução
 
Helena e a mãe, Luana Reprodução
 
A menina precisou passar por várias raspagens na pele e procedimentos de hidratação. Segundo os médicos, é provável que a pele dela fique com marcas para o resto da vida. “Disseram que não estão pensando nas sequelas ainda. Que a prioridade é mantê-la viva.”
 
Os diversos procedimentos médicos para a recuperação da pequena Helena ainda serão necessários. Sem plano de saúde, a família pede ajuda nos custos. Em poucos dias, a conta hospitalar já se acumula em quase R$ 15 mil.
 
Veja imagens de Helena uma semana antes da internação:
 

 
Luana Mara, 33, mãe de Helena, chora há dias sem parar. A recuperação da bebê será um processo lento, segundo os médicos, e necessitará de cuidado para diminuir o risco de infecção. A família não tem plano de saúde e não encontrou vagas em hospitais públicos. Em apenas três dias, a conta chegou a R$ 14.266,64. A bebê permanecerá internada por pelo menos 15 dias.
 
“Peço a ajuda de todos para que de alguma forma intercedam pela saúde da nossa pequena Helena (financeiramente ou espiritual)”, diz o post da vaquinha.
 
Quem puder contribuir com qualquer valor, pode fazê-lo por meio deste link. É possível também realizar depósito via PIX.
 
Pix: 005.167.020-84
Filipe Cassiano Penno da Silva Motta Balest
Tio de Helena
Conta bancária:
Banco Brasil
Ag: 795-1
Conta: 21174-5
Filipe Cassiano Penno da Silva Motta Balest
 
Fonte - Metrópoles