.:: Brasil
.:: Celebridade
.:: Concurso
.:: Destaque
.:: Economia
.:: Educação
.:: ENTORNO
.:: Entretenimento / Cultura
.:: Esporte
.:: Goiás
.:: Grande Brasília
.:: Internacional
.:: Justiça
.:: NOVO GAMA
.:: Obituário
.:: Opinião
.:: Polícia DF
.:: Polícia Entorno
.:: Polícia Outras Regiões
.:: Política Distrito Federal
.:: Política Entorno
.:: Política Nacional
.:: Religião
.:: SANTA MARIA
.:: Saúde
.:: Segurança
.:: Segurança Pública
.:: Solidariedade
.:: VALPARAÍSO DE GOIÁS
POLÍCIA - “Idoso precisa sair, dançar”, diz delegado sobre violência contra idosos, em Anápolis
 

 

 Para o delegado, a qualidade de vida nessa fase da vida deve ser algo observado por parentes e amigos ao cuidarem de um idoso
 
Delegado do idoso em Anápolis Manoel Vanderic. (Foto: Reprodução)
 
A Delegacia Especializada de Atendimento ao Idoso em Anápolis (DEAI) registra, diariamente, cerca de 10 a 15 denúncias de violência contra o idoso. É o que afirma o delegado titular da pasta, Manoel Vanderic. Para o delegado, a qualidade de vida nessa fase da vida deve ser algo observado por parentes e amigos ao cuidarem de um idoso.
 
“É uma polêmica, mas o idoso não deve viver preso. Ele precisa continuar fazendo as coisas na maior normalidade possível: sair, dançar, fazer o que ele tiver vontade. Isso implica diretamente na qualidade de vida dele”, explica Manoel.
 
Quanto aos números de denúncia, Vanderic diz que cada situação deve ser analisada individualmente.
 
“As denúncias chegam diariamente, temos hoje mais de 40 casos que ainda precisamos averiguar a situação. Tem horas que você sai e é um caso mais grave em outras situações, é uma denúncia de algum familiar que deseja prejudicar a família que cuida do idoso”, ressalta Vanderic.
 
O delegado ainda destaca a peculiaridade em que esses casos devem ser tratados pelas autoridades que o cercam.
 
“90% desses crimes são praticados por filhos e netos. O idoso ainda tem vergonha de procurar a polícia, muitos declaram com orgulho de que durante décadas de vida nunca precisaram procurar ou sequer entrar em uma delegacia”, ressalta Vanderic.
 
Para o delegado, o maior desafio é convencer o idoso de que ele precisa de ajuda, “Prender o autor ou formalizar o inquérito policial é simples, na maior parte das vezes não existe testemunhas e a vítima não quer falar, justamente por medo da prisão do seu ente familiar, o que nos traz respaldo para atuação é uma equipe humanizada que tenta mostrar para a vítima que o nosso papel é auxiliá-la do que prender seu próprio filho”, ressalta.
 
Fonte - Mais Goiás

 


Fonte: Portal Mais Goiás
Publicado em: 31/07/2022 12:01:00
Link: http://www.agenciasatelite.com.br/website/siteplus/noticia/noticia_detalhe_23a.asp?id=495&idRegistro=28284

MAIS NOTÍCIAS

POLÍCIA - “Idoso precisa sair, dançar”, diz delegado sobre violência contra idosos, em Anápolis

POLÍCIA - Homem é preso por colocar fogo na esposa; filhos viram mãe em chamas

POLÍCIA - Dada pela mãe! Pintor preso admitiu estupro de menor; veja

Vereador agride jornalista com socos e chutes após reportagem: vídeo

Por ciúmes, homem joga óleo quente contra a própria mulher em Goiás

Vídeo: guarda municipal saca arma e ameaça garis no Entorno do DF

Criança morre após choque em extensão elétrica para carregar celular

Pai acusado de matar a própria filha de apenas 3 meses em Buritis é preso em Shopping no DF

Homem é indiciado por matar amigo, colocar corpo em sofá e atear fogo

Ex-policial agonizando após ser baleado no Entorno do DF

GO: jovem que sumiu com Bíblia na mão é encontrado morto em represa

Menino morre com marcas de agressão em GO; pai e madrasta são presos

Vídeo revoltante: homem decapita cinco cães e envia cabeças à madrasta

Mulher morre e homem fica ferido em briga de bar no Pedregal

Homem perde controle do carro, derruba parede e mata enteado em GO

VÍDEO: mulher mata cachorro a facadas em Valparaíso

Adolescente de 14 anos é abusada sexualmente por entregador de gás em Valparaíso

Homem que matou para esconder relação homossexual em Novo Gama está foragido